sábado, 6 de fevereiro de 2010

Passos Livres.






Quanto mais eu quis
Menos quis saber
Apegar-se a algo é perde-lo
Desistir é obter.

Então não digas que as flores já morreram
Que pela metade já tenho inteiro...




São derrotas demais
O jardim e o jardineiro
Sempre se esquecem...
de suas flores novas...


A verdade é o novo
E você sempre volta atrás
Medo de perder o que já não satisfaz

Um coração acostumado
A seguir ordens, novelas e ditados.
Já não há mais importância
E o livro então sagrado
Hoje é gosto amargo,
e o mundo é quem te leva
p´ra longe daqui...

Eu giro o mundo e faço o meu devir
Ninguém vai me dizer p´ra onde ir.




João

2 comentários:

uma poetinha... disse...

"São derrotas demais
O jardim e o jardineiro
Sempre se esquecem...
de suas flores novas..."

Algumas findam...mas sempre amanhece o sol e chove a chuvinha onde brotam novos dias,oportunidades,gestos e ações!!!

Fica bem!
Estar vivo vale o espetáculo...e ter amigos que nos lêem faz a dor doer menos doida...

beijãoooo!
Amne

Sofia disse...

é mesmo difícil olhar as novas flores...tão difícil quanto atribuir-lhes um significado quando há derrotas d+...Mas é possível. Assim como esperar que a vida não se encarregue d nosso devir. kkkk